A HISTÓRIA DO SKATE NO BRASIL

(Conteúdo adaptado de CBSK: http://www.cbsk.com.br/paginas/historia-do-skate-no-brasil)

 

 

Os principais acontecimentos de Skate no Brasil foram pesquisados no livro “A Onda Dura” de Eduardo de Brito, nas revistas Tribo Skate e CemporcentoSkate mais os sites Skatecuriosidade e Skate Cultura.

 

Seguem alguns deles:

 

O surgimento (Anos 60)

Surgimento do Skate, primeiro no Rio de Janeiro, provavelmente trazidos por filhos de norte-americanos e/ou por poucos brasileiros que viajavam para os Estados Unidos da América naquela época, principalmente por quem estava começando a surfar no Brasil. Incentivados pelos anúncios da revista norte americana Surfer, o Surfinho (como era chamado na época) era feito de eixos de patins com rodas de borracha ou ferro pregados numa madeira qualquer.

 

Anos 70 - Ressurgimento do Skate no Brasil com o primeiro “boom” do Skate.

 

Os primeiros skatistas praticavam nas Ladeiras da Rua Maria Angélica e do Cedro no Rio de Janeiro (RJ) ou na Pracinha do Skate no bairro do Sumaré em S. Paulo (SP). A divulgação do Skate na revista Pop, a principal voltada ao público jovem, a partir de 1972 ajudou a popularizar o Skate.

 

No meio desta década, muitas empresas brasileiras comercializavam skates como a Torlay, Benrose, Bandeirantes, Nakano, DM, Vortex, RK, Costa Norte etc. e em 1976, teve a construção da primeira pista do Brasil e da América Latina em Nova Iguaçu (RJ).

 

Foi nesta década que construíram as pistas em São Paulo como Alphaville Tênis Club (Barueri), Wave Park, Cashbox e Franete (S. Paulo), no Rio de Janeiro como a de Campo Grande, Jacarepaguá e Barramares (Rio de Janeiro) e Volta Redonda, no Rio Grande do Sul a Swell em Viamão, Parque da Marinha em Porto Alegre e Bowl do Ramon em Novo Hamburgo, em Santa Catarina a pista do Clube dos 12 em Florianópolis, no Paraná a Pista do Gaúcho em Curitiba e na Paraíba o Banks de João Pessoa.

 

Com a popularização do skate, iniciaram as primeiras competições como na Feira da Providência no Rio de Janeiro entre 08 e 11 de Agosto de 1974, no Clube Federal do Rio de Janeiro em 15 de Agosto de 1976, na Quinta da Boa Vista também no Rio em 23 e 24 de Outubro de 1976, do primeiro campeonato de Banks em Nova Iguaçu em 1977, Torneio Luau em S. Paulo em 1978, no Clube de Regatas Flamengo no Rio em 1978, Campeonato Brasileiro em Florianópolis (SC) em 1978, do primeiro campeonato de Downhill Speed do país em Belo Horizonte em 1978 e o Circuito Hering em 1979 com etapas em Santa Catarina, S. Paulo e Rio de Janeiro.

 

Entretanto no final de década de 70 o Skate decaiu devido aos fabricantes terem migrados para o Patins e o BMX, não havendo peças para comercialização, investimentos em skatistas e campeonatos, desestimulou a maioria dos praticantes.

 

Anos 80

No início dessa década, quase houve o desaparecimento da modalidade que sobreviveu graças aos poucos praticantes remanescentes que construíam rampas particulares.

 

Cada vez mais a marquise do Parque Ibirapuera em S. Paulo (SP) reunia os praticantes de Freestyle tornando um reduto do Skate paulistano.

 

Em 1980 era inaugurada a Wave Cat em S. Bernardo do Campo (SP); em 1981 a Pista Velha de S. Bernardo do Campo (SP), Bowl do Anchieta em Belo Horizonte (MG), Bowl de Fortaleza (CE) e do Bowl no Itaguará Country Club em Guaratinguetá (SP); em 1982 o Banks da Nova Floresta em Belo Horizonte; em 1984 o Banks no Itaguará Country Club, o Banks do Ambiental em Curitiba (PR), as pistas do Mirante em Jundiaí (SP) e de Búzios (RJ); em 1985 os Half Pipes do Capanema em Curitiba e Company na Lagoa Rodrigo de Freitas no Rio de Janeiro além do Banks do Riviera Del Fiori também no Rio; em 1986 os Half Pipes do Clube Trianon e da Bigolândia em Jacareí (SP), Santa Mônica em Florianópolis, da Praça dos Namorados em Vitória (ES), o Banks do Castelo Branco em Cambé (PR) e o QG Skate Park em S. Paulo; em 1987 do Bowl da Polato em Guarulhos (SP), Bowl do Núcleo dos Bandeirantes em Brasília (DF), da pista da HProl em Santos, Country Skate Park em Porto Alegre e Bowl da Howzit em S. Paulo; em 1988 da Straight Up no Guarujá, da Lipton Skate Park em S. José dos Campos (SP), pista de Piatã em Salvador (BA), Ultra Skate Park em S. Paulo, do Half Pipe do Vale do Rubi em Londrina (PR), Domínio Skate Park em Atibaia (SP) e reforma mais ampliação da Pista de S. Bernardo do Campo; em 1989 da Top Sport, Stones, ZN e Prestige em S. Paulo, Pista de Santo André (SP) e Júnior Skate Park em S. Caetano do Sul.

 

Nesta década começaram a serem realizados uma quantidade maior de eventos em relação aos Anos 70, entretanto bem menor em relação à atualidade.

 

Foi neste período que houve o Início da disputa do Campeonato Brasileiro de Skate do Bowl no Itaguará Country Club que durou de 1982 (com 60 competidores) a 1987 (com 380 competidores nas modalidades Bowl, Banks, Freestyle e Street).

 

Neste período, houve um grande “boom” de campeonatos de skate distribuídos por todo o país, principalmente nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná.

 

Em 1984, houve o ressurgimento da indústria nacional, principalmente por iniciativa dos próprios skatistas.

 

Daí em diante, vários meios de comunicação e marketing, começaram a abordar o tema “SKATE” em suas programações e eventos, além do surgimento de entidades para apoiar o esporte, exemplos:

 

  • Lançamento em 1984 do programa de TV Vibração, o com maior longevidade no país, em 1988 do Vitória na TV Cultura e do Grito de Rua da TV Gazeta e em 1989 do Conexão Skate.
  • Publicação das revistas especializadas Overall em 1985; Yeah em 1986; Skatin, SKT News e Vital Skateem 1989; sendo que todas duraram até 1990.
  • Vinda dos ídolos internacionais Tony Alva, Daryl Delgado e Dave Ducan em 1985; Christian Hosoi em 1986; Mickey Alba, Eddie Reategui e Christian Hosoi em 1987; Tony Hawk, Lance Montain, John Gibson, Dave Duncan, Tony Magnunsson e Ed Elguera, Sergie Ventura e Christian Hosoi em 1988; Mark Gator, Micke Alba, Ken Park e Joe Johnson em 1989.
  • Fundação da Associação Brasileira de Skate (ABS) em 1986 com curta duração de atividades; em 1987 da União dos Skatistas e Empresários (USE) funcionando durante um ano e em 1988 da União Brasileira de Skate (UBS) que durou até 2000.
  • Ida de uma delegação brasileira para o Campeonato Mundial no Canadá em 1986 ficando na quinta colocação por equipes.

 

Em 1988 houve um episódio marcante, o prefeito da cidade de São Paulo, Jânio Quadros, proíbe andar de skate no Parque do Ibirapuera e após uma passeata de protesto dos skatistas ele proíbe que se ande de skate em toda cidade de São Paulo.

 

Foi neste ano também que acontece a primeira reportagem sobre o Skate brasileiro na conceituada revista Transworld.

 

Um acontecimento também importante à época, foi a ida de uma nova delegação brasileira à Alemanha em 1989 onde é memorado o quarto lugar de Lincoln Ueda na categoria Profissional, a melhor classificação de um brasileiro em todos os tempos até então.

 

A segunda metade da década foi um período de grande desenvolvimento e evolução do Skate no Brasil e criou-se uma grande esperança para o futuro com um novo boom da modalidade.

 

Anos 90

 

Em 1990 o Skate novamente entra em decadência devido ao Plano Collor que estragou todo o excelente desenvolvimento do Skate nacional fazendo diversas empresas falirem, inclusive todas as revistas especializadas, e os investimentos no Skate encerrarem da noite para o dia.

 

Mesmo com as dificuldades econômicas do início da década, os anos 90 foram da consolidação do Skate no país e de profissionalização. Foram construídas importantes pistas nesta época como o Arpoador e Pontões no Rio em 1991; Pista de S. Leopoldo do Sul e Esteio (RS) em 1993; da Pista da Saúde em São Paulo em 1994; da Maha em Curitiba em 1995; Bowl do Rio Sul em 1996; dos condomínios em Alphaville em Barueri, Roller Brothers em S. Paulo, Hard Roller em Porto Alegre em 1997; da Drop Dead Skate Park em Curitiba e Atlântico Sul Skate Park (que posteriormente mudaria de nome para Qix) em Novo Hamburgo e início do “boom” de construção de centenas de pistas de skate pelo Brasil em 1998.

 

Houveram ainda:

 

  • A realização de competições profissionais
  • Ressurgimento do Circuito Brasileiro em 1991.
  • Apresentações de profissionais estrangeiros no país
  • Os primeiros profissionais estrangeiros começam a competir também no Brasil a partir de 1995
  • Começam as publicações revistas nacionais como a Tribo Skate em 1991, VS em 1991, da One em 1994 e da CemporcentoSkate em 1995 e Method Magazine em 1997.
  • É criado em 1995 o Dia do Skate em São Paulo (03 de agosto) pelo então vereador Alberto Turco Loco.
  • Lançamento dos primeiros vídeos feitos por skatistas como o Speed Only em 1991; do Dirty Money, Television, da Lifestyle e da Alva e do primeiro vídeo magazine brasileiro, Silly Society em 1993; do Cliché Vídeo Magazine em 1995; Matriz#01, da Drop Dead e do Drop Dead Skate Pro em 1998; Open your Mind em 1999.
  • A partir desta década, aumenta a presença de brasileiros nos melhores eventos mundiais e a consagração do Skate brasileiro como um dos melhores do mundo, onde Bob Burnquist é eleito o Skatista do Ano de 1997 em todo mundo pela conceituada revista Thrasher.
  • Neste período houveram também as primeiras edições das etapas brasileiras do Circuito Mundial em 1998, o Tribo Skate World Cup, e em 1999, o Crail World Cup, ambas na cidade de São Paulo.
  • Em 1999 a fundação da Confederação Brasileira de Skate (CBSk).
  • Em 1999 criou-se a categoria Master só para veteranos (acima de 30 anos) um campeonato realizado no Banks Itaguará clube, o I Urgh Lendas do Skate.
  • O definitivo boom da modalidade, mas desta vez fortalecida por uma indústria solidificada e administradas pelos próprios praticantes dos anos 80.

 

Anos 2000

 

A partir de 2000 o Circuito Brasileiro de Skate é organizado pela CBSk. Neste período, são lançados diversos campeonatos com pontuação para o mundial e sulamericano de diversas modalidades (Street, Downhill, Freestyle e Vertical).

 

Também destaca-se o surgimento de eventos com formatos alternativos como desafios de rua formato tipo Game of S-K-A-T-E, Copa Slalom, desafios de corrimão, banks, bowl, etc.

 

As primeiras edições do Latin America X-Games acontece no Rio de Janeiro em 2003 e 2004; em 2008 acontece o Brasil X Games em S. Paulo.

Em 2008 e 2009 em S. Paulo, acontecem as primeiras edições da Mega Rampa no Brasil.

 

A partir de 2002 são realizadas as primeiras edições do Rio Vert Jam no Rio de Janeiro, sendo a partir de 2006 valendo como etapa do Circuito Mundial de Vertical.

 

Acontecem a Copa Comunitária de Skate e do Desafio Internacional de Skate, transmitidos pela TV Record, em 2001; Batalha no Forte em Salvador em 2006, transmitido pela Sportv; o Pro Rad em S. Paulo com Street e Vertical em 2006, transmitidos pela TV Globo.

 

Começam a acontecer etapas brasileiras válidas exclusivamente pelo Circuito Mundial de Street com o Nescau Energy Street Festival no Rio de Janeiro em 2008.

 

O Crail World Cup acontece novamente em 2001 em S. Bernardo do Campo, em 2002 e 2005 em S. Paulo. Vinda dos ídolos internacionais Danny Way, Paul Machnau, David Gonzales, Paul Rodriguez, Omar Salazar, Reese Forbes, Duane Peters, Pat Duffy, Chad Shettler em 2006; Chico Brenes, Kristian Bomholt, Torey Pudwill e Zered Bassett em 2007; Geoff Rowley, Johnny Layton, Christian Hosoi e Steve Caballero em 2008;

 

Em 2002 Bob Burnquist recebe o Prêmio “Laureaus Awards” de Atleta do ano de todas as modalidades esportivas e vence o desafio King of Skate.

 

Bob Burnquist é escolhido como skatista do ano pela Transwolrd em 2007.

 

A CBSk realiza os Testes de Aptidão para Árbitros em S. Paulo e Teresópolis em 2006, S. Paulo e Sobral em 2007 para testar os conhecimentos dos juízes, locutores, coordenadores de notas ou skatistas profissionais e ingressar os melhores no seu Quadro de Árbitros.

 

Depois de articulação da CBSk por dois anos com o Ministério do Esporte, o programa federal Bolsa Atleta começa a beneficiar skatistas a partir de 2008 pagando bolsas mensais.

 

São publicadas as revistas Rio Skate Mag e 40 Polegadas em 2000; Skate & Bordas em 2001; Skate Jam, Vista, SKT, Switch, Pense Skate e Ôxe em 2004.

 

A CemporcentoSkate publica o Guia de Pistas em 2002 demonstrando existir na época 427 pistas de Skate no Brasil, novamente em 2004 onde aumentaram para 721 pistas e em 2006 com 1.024 pistas, crescimento de 116% em quatro anos.

 

Realização pelo Instituto Datafolha da primeira pesquisa sobre praticantes de Skate no Brasil, encomendada pela CBSk, constatando haver mais de 2.700.000 (dois milhões e setecentos mil) praticantes.

 

Em 2006 novamente a CBSk contrata o Datafolha para novo pesquisa onde os praticantes aumentaram para mais de 3.200.000 (três milhões e duzentos mil) e em dezembro de 2009 a terceira pesquisa com mais de 3.800.000 (três milhões e oitocentos mil).

 

A grande mídia começou a mostrar o Skate seja em programas de TV sobre campeonatos (Oi Vert Jam, Pro Rad, Mega Rampa) e especializados (Skate Paradise, Zona de Impacto e Distorção), entrevistas com personalidades (Bob no Programa do Jô, Karen Jones no Fantástico, Dança no Skate na Eliana) e até em novelas (Malhação).

 

Skatistas/artistas expõe em galerias de arte no Brasil como Flávio Samelo, Apoena Fousek, Alexandre Farofa, Binho Ribeiro, Felipe Motta etc.

Skatistas participam de publicidade de marcas fora do universo do Skate: Fábio Sleimann na propaganda de celular, Rogério Mancha na de carro, etc...

 

Skatistas viram atores de cinema (Daniel Zattai, Alexandre Chorão e Allan Mesquita) e são destaques em bandas (Chorão no Charlie Brown Jr., Badauí no CPM22, Marcelo D2, Edu Marrom, Carlinhos Zodi etc).

 

Lançamento de filmes e documentários sobre o Skate brasileiro em 2007 com The Reality of Bob Burnquist, Alma sobre rodas e O Magnata; em 2009 com Dirty Money de Alexandre Vianna e RE:BOARD por Alexandre Farofa.

 

Em 2003 a CBSk cria comitês dos profissionais de Street e Vertical e depois disto inicia a criação de comitês dos profissionais e conselhos de todas as modalidades.

 

Em 2004 a CBSk começa a controlar a profissionalização de amadores estabelecendo parametros sendo a partir de 2006 através de análises e aprovação de Comitês dos profissionais de cada modalidade.

 

Já nesta década diversos skatistas brasileiros vivem no Exterior e são patrocinados por empresas internacionais.

 

 

Anos 2010

 

Algumas tentativas de proibição de Skate em locais tradicionais com o Museu do Ipiranga e Avenida Paulista em 2010, Parque do Ibirapuera e Praça Roosevelt em 2012 tiveram participação importante da CBSk para que não fossem concretizadas.

 

Acontecem entre 2010 e 2013 etapas brasileiras do Circuito Mundial de várias modalidades como Rio Vert Jam (Vertical) no Rio de Janeiro, Red Bull Sk8 Generation (Bowl) em Florianópolis, Ceará World Cup (Street) em Fortaleza e Malarrara Pro (Speed) em Teutônia.

 

O Circuito Brasileiro de Skate em 2010 tem etapas em Brasília, João Pessoa, Sobral, Florianópolis; em 2011 com etapas em S. Paulo, Sobral e João Pessoa; em 2012 com etapas em Fortaleza, Sobral e Recife.

 

A CBSk organiza o Campeonato Brasileiro de Street Amador em 2010 em S. Paulo, em 2011 e 2012 em S. Bernardo do Campo, com participações de amadores, iniciantes e meninas selecionadas nos principais circuitos e rankings estaduais de vários Estados.

 

Lançamento do documentário sobre o Skate brasileiro em 2010 Vidas sobre Rodas de Daniel Baccaro.

 

Acontece mais edições da Mega Rampa no Brasil em 2011 em S. Paulo e 2012 no Rio de Janeiro.